RÚSSIA ORDENA ATAQUE A ARÁBIA SAUDITA, CASO OCIDENTE ATAQUE A SÍRIA

Ontem, dia 27 de agosto de 2013, o escritório do presidente da Rússia, Vladimir Putin expediu um memorando as Forças Armadas ordenando uma ação militar massiva contra a Arábia Saudita[1] no caso do Ocidente (EUA, Inglaterra e França) atacar a Síria. Tropas americanas já começam a ocupar posições estratégicas em relação à Síria[2].
De acordo com o Kremlin, essa ordem de guerra veio em resposta a reunião do presidente Putin com o príncipe saudita Bandar bin Sultan, que teria afirmado que se a Rússia não aceitasse a queda do atual governo sírio comandado por Bahsar Al Assad, a Arábia Saudita iria permitir aos terroristas chechenos sob seu controle ações de assassinato em massa e promoção do caos em território russo durante os Jogos Olímpicos de Inverno previstos para 2014.
Em tom insinuante, o príncipe saudita teria dito: “Posso garantir a completa segurança dos Jogos Olímpicos de Inverno do ano que vem. Os extremistas chechenos que ameaçam a segurança dos jogos são controlados por nós”[3]. Além de alianças políticas, Bandar bin Sultan teria tocado na questão energética na reunião de portas fechadas,  nas transcrições não autorizadas consta a seguinte afirmação: “Examinemos como podemos unificar uma estratégia de cooperação Rússia-Arábia Saudita no tópico do petróleo. A intenção é em concordar no preço e quantidade produzida de maneira que mantenha o mercado global de petróleo estável”[3]. Essa declaração parece oferecer uma aliança entre a OPEC e a Rússia, no caso de mudanças estratégicas russas em relação à Síria. Putin assim teria replicado: “Nossa posição em relação a Assad nunca mudará. Acreditamos que o atual regime responde pelos interesses do povo sírio, e não estes canibais”. O presidente russo se referiu assim aos insurgentes por conta do vídeo[4] do dia 15 de maio, no qual um rebelde sírio extrai o coração de um soldado governista e aparenta come-lo.
Digno de nota, é o documento vazado[5] por Bradley Manning ao Wikileaks, no qual o serviço de inteligência americana ainda em 2006 discorre da seguinte maneira sobre Assad: “Ações que causem a instabilidade e aumentem sua insegurança são de nosso interesse…”. O que leva a suspeitas sobre os pronunciamentos da Casa Branca como o do vice-presidente Joe Biden que ontem declarou[6] não haver dúvidas de que o regime sírio teria usado armas químicas contra a população.
Com os eventos saindo de controle na Síria, o jornal britânico The Independent publicou[7] na segunda feira que o príncipe saudita, de estreitas relações com os EUA, tem trabalhado no suporte as facções rebeldes sírias, fornecendo inclusive armas e treinamentos na busca da derrubada do presidente Bashar Al-Assad. O jornalista independente Ben Swann apurou[8] ainda em junho que a organização terrorista Al-Qaeda estaria atuando em apoio aos rebeldes sírios. Ainda neste contexto, o ministro das relações exteriores russo, Aleksandr Lukashevich, alertou[9] que: “Tentativas de ignorar o Conselho de Segurança, para mais uma vez criar situações artificiais que deem justificativas para uma intervenção militar na região causarão ainda mais sofrimento na Síria e catastróficas consequências para outros países do Oriente Médio e do norte da África”.
Alheios às declarações russas, o premiê britânico David Cameron convocou[9] novamente o parlamento para a votação sobre o ataque em solo sírio. Enquanto o presidente Obama cancelou[10] abruptamente uma reunião entre diplomatas russos e americanos prevista para hoje. Segundo a CBS, a reunião possuía a intenção de traçar medidas com o objetivo de encerrar a guerra civil na Síria.
O governo sírio alertou[11] nesta segunda por meio do ministro das relações exteriores, Faisal Mikdad, que uma intervenção de americanos e aliados poderia gerar grande ameaça à paz mundial. Diante desta configuração geopolítica, tudo indica que qualquer ataque a Síria será considerado pelo Kremlin um ataque à Rússia.
Segundo o The European Union Times, este ataque à Síria, liderado pela Arábia Saudita, Qatar e os aliados ocidentais tem o objetivo de quebrar o domínio russo sobre o mercado de gás natural, com a construção de um gasoduto em território sírio[1].
Sobre as tentativas de derrubada do governo sírio e o ataque químico[12] ocorrido no dia 21 em Damasco, o qual vitimou mais de 1.300 pessoas, o ministro das relações exteriores russo analisou[13] como sendo uma ação planejada de incriminação do governo por parte dos interessados na queda do regime.
As circunstâncias indicam que mais uma vez o Ocidente e aliados premeditaram ações de justificativa a intervenção militar, com vistas ao domínio de recursos energéticos, isso soa muito familiar.

Este artigo é adaptado do original em inglês disponível em: http://www.eutimes.net/2013/08/putin-orders-massive-strike-against-saudi-arabia-if-west-attacks-syria/
Ataque químico Síria 21-08-13
Copyright © Agência EFE, S.A 2010, todos os direitos reservados.
Referências:
[1] http://www.eutimes.net/2013/08/putin-orders-massive-strike-against-saudi-arabia-if-west-attacks-syria/
[2] http://pt.euronews.com/2013/08/27/siria-forcas-militares-do-ocidente-ja-ocupam-posices-estrategicas/
[3] http://www.telegraph.co.uk/finance/newsbysector/energy/oilandgas/10266957/Saudis-offer-Russia-secret-oil-deal-if-it-drops-Syria.html
[4] http://thelibertarianrepublic.com/video-syrian-rebel-cuts-out-soldiers-heart-and-eats-it-nsfw/
[5] http://www.wikileaks.org/plusd/cables/06DAMASCUS5399_a.html#efmBA8BJR
[6] http://noticias.terra.com.br/mundo/estados-unidos/biden-diz-nao-ter-duvida-de-que-governo-sirio-usou-armas-quimicas,e1517d5318eb0410VgnCLD2000000ec6eb0aRCRD.html
[7] http://www.independent.co.uk/news/world/middle-east/syria-the-saudi-connection-the-prince-with-close-ties-to-washington-at-the-heart-of-the-push-for-war-8785049.html?printService=print
[8] http://benswann.com/what-the-media-isnt-telling-you-about-syrian-civil-war/
[9] http://www.independent.co.uk/news/world/middle-east/syria-crisis-uk-and-us-vow-that-any-military-response-is-not-about-regime-change-as-parliament-is-recalled-to-vote-on-intervention-8785140.html
[10] http://www.cbsnews.com/8301-202_162-57600192/source-u.s-postpones-meeting-with-russia-about-syria/
[11] http://www.cbsnews.com/8301-202_162-57600101/fearing-a-u.s-strike-syria-warns-of-global-chaos/
[12]http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/mundo/2013/08/21/interna_mundo,383633/mais-de-1-300-pessoas-morreram-no-ataque-quimico-na-periferia-de-damasco.shtml
[13] http://rt.com/news/syria-chemical-prepared-advance-901/

Anúncios

8 respostas em “RÚSSIA ORDENA ATAQUE A ARÁBIA SAUDITA, CASO OCIDENTE ATAQUE A SÍRIA

  1. Que jogo de interesses escondidos… Mentiras e ameaças de guerra pra todo lado… Ta me parecendo aquilo que levou ao começo da primeira guerra mundial…

  2. Bom, depois de ler atentamente o post, me resta apenas uma perguntinha: Por que os EUA e aliados (neste caso específico a Inglaterra e França) ainda não se pronunciaram sobre uma possível invasão na Coréia do Norte, cujo ditador KIm-Jong-Un desafiou e continua desafiando a comunidade internacional através dos experimentos com a bomba atômica?
    Estão realmente muitíssimo preocupados com o terrorismo mundial….É de arrepiar !

  3. Novamente o Império Romano dos nossos dias (EUA) quebrando a paz mundial e impondo morte e sofrimento a seres humanos. Espero que historia se repita e possamos ver este império cair.

  4. Desde que o mundo é mundo existem guerras por poder e dinheiro. Vejo que o ser humano não aprendeu nada, ainda somos os mesmos bárbaros de antigamente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s