Soneto a Gabriel

Faleceu hoje, aos 87 anos, o eterno Gabo, Gabriel García Márquez. Jornalista, escritor, ativista, colombiano e amante da poesia, ganhou o prêmio nobel de literatura em 1982 por seu romance Cem anos de solidão, no qual pelo realismo fantástico, conta a história da América Latina.

No discurso que proferiu quando da entrega do nobel, intitulado A solidão da América Latina, Gabo considera nosso continente como terra de todo especial, para o mal ou para o bem, do qual o romancista pouco precisa imaginar para sua criação.

“Poetas e mendigos, músicos e profetas, guerreiros e malandros, todos nós, criaturas daquela realidade desaforada, tivemos que pedir muito pouco à imaginação, porque para nós o maior desafio foi a insuficiência dos recursos convencionais para tornar nossa vida acreditável. Este é, amigos, o nó da nossa solidão.”

Sua vida foi dedicada a expor a realidade latino-americana, a cantar o amor por nosso povo sofrido e pela nossa unidade. Agora, após sua ida, os diversos veículos de imprensa que seriam seus inimigos o pintam como um escritor acima do mundo, isso não é verdade. García Márquez foi correspondente da Prensa Latina, mídia cubana, durante muitos anos, e sempre defendeu a igualdade e a justiça social da esquerda política.

Desde 1999 foi acometido por um câncer, sofria também de doença degenerativa que atacava sua memória. Neste ponto, abro espaço pra um relato pessoal que creio ser pertinente.

Na última madrugada do dia 11 para 12 estava em viagem quando escrevi o soneto que dá nome a este artigo. Compus na esperança de publicá-lo na rede em seu próximo aniversário, pra que a homenagem fosse feita numa data que não sua morte, fazendo assim uma associação mais feliz e menos oportunista. Não tive a chance, infelizmente.

Segue portanto, minha homenagem póstuma:

Soneto a Gabriel

Amante da Latino-América
atento observador popular
dedicou sua vida, sua pena
a nos unificar

o poeta da solidão
ao mundo inteiro cantou
as façanhas e desventuras
da gente de nosso chão

do continente dos abismos
que é capaz de amar ao infinito
e ainda assim abandonar seus filhos

agora descansa, Gabo
e não te aborreças porque se esqueces
sempre lembraremos de ti.

Anúncios

2014, retificando Orwell

Visão além do tempo
profecia fria e certa
Orwell nos deixou
é somente incorreta
a descrição, o que o nomeou

o Grande Irmão tomou forma
diferente da de um homem
e seu olho pouco importa
pois tem Mão poderosa

Mão esta invisível
porém onipresente
as costas do trabalhador
são as que mais a sentem

fardo este pesado
que nos leva a servir
o todo poderoso Mercado
que ordena consumir.

Obama-Big-Brother

Soneto da Humanidade

Às divindades peço licença
e declaro que o futuro a nós pertence
dê-nos as rédeas!
entregue-as nas mãos da gente

desta forma o povo garante
que daqui em diante
o poder que vem de baixo
a todos levantará

e livre será o amor
livres seremos da dor
e a festa será sem temor

aos populares brindemos
pois com essa verdadeira força
que tudo novo faremos.
A liberdade
A Liberdade Guiando o Povo – Eugène Delacroix