9 SINAIS DE QUE A ELITE ESTÁ PERDENDO O CONTROLE

O karma está vindo a passos largos em direção a elite. Enquanto os planos de intervenção na Síria são derrubados, vários sinais demonstram que a elite política e econômica está perdendo seu poder diante da humanidade.

A última década foi marcada por uma tentativa insana de consolidação do poder pela elite global frente ao povo. Estes planos sempre soaram como os de um vilão terrível de revista em quadrinhos, porém após o 11 de setembro estes aceleraram e a velocidade foi dobrada após a crise financeira de 2008.

Sim, estes planos estão condenados a falhar pois nós humanos somos concebidos para nos guiar por nossas próprias vontades e não controlados como um rebanho. Quanto mais a elite tenta controlar a população, maior se torna a entropia. Entropia, para aqueles que não sabem é a falta de ordem e previsibilidade, um decline gradual para a desordem.

Enquanto a elite desfruta de uma riqueza estrondosa comparada ao povo, se encontra cada vez mais forçada a exercer a tirania em nome da ordem. O que por sua vez expõe o lado escuro de seus interesses escondidos há muito. Não mais.

O povo está acordando massivamente, ao menos tão rápido quanto a elite constrói suas prisões em estilo Matrix. Parafraseando Victor Hugo, “Nenhum exército pode parar uma ideia quando o tempo dela é chegado.”

Abaixo seguem 9 sinais de que a elite está perdendo controle sobre a população:

  1. A versão oficial não mais convence: As mentiras contadas por eles simplesmente não mais funcionam. Houve um tempo em que a versão oficial, principalmente nos casos de guerra e paz tinha crédito. O quão mal é mentir a população principalmente nestes casos? O povo tendia a acreditar que a verdade era dita quando a vida estava envolvida na questão. Fomos enganados durante muito tempo, ainda que resolvam nos contar a verdade a partir de agora, poucos acreditariam.
  2. Não se confia mais na política: Os políticos possuem níveis de aprovação cada dia mais baixos. A confiança no poder público declina a cada instante em todos os lugares do mundo. Nos Estados Unidos por exemplo, 90% da população não crê na competência dos políticos. Em nosso país o Congresso Nacional possui[1] o penúltimo lugar no índice de confiança social do IBOPE com 29 pontos, numa escala de 0 a 100.
  3. Não se confia mais na grande mídia: No Brasil 87%[2] da população não acredita nos grandes meios de comunicação como defensores dos interesses populares, nos EUA este numero é de 77%. Exemplo marcante da perda de credibilidade da mídia corporativa foi o caso dos ataques químicos ocorridos na Síria, mesmo com o monopólio da informação ainda forte, o povo não deu crédito a versão oficial e desaprovou a intervenção.
  4. Os banqueiros são hostilizados: A Hungria tornou-se o primeiro país a seguir o exemplo da Islândia que rejeitou o Fundo Monetário Internacional e esta em vias de processar o antigo primeiro ministro o qual escravizou a população com a dívida.
  5. O Vaticano está mudando sua atuação radicalmente: Durante o papado de Bento XVI o Vaticano sofreu exposição negativa por conta de inúmeros escândalos de pedofilia, lavagem de dinheiro e fraudes. Bento então renunciou de forma inesperada, o que abriu caminho para o Papa Francisco, muito mais carismático. O novo papa tem tomado medidas enérgicas no sentido de recuperar a reputação da Igreja. Mesmo levando em conta a possibilidade destas mudanças serem retóricas, estes fatos demonstram que a Igreja se vê forçada a mudanças drásticas para não perder toda a credibilidade.
  6. Até mesmo os militares se rebelam: A possibilidade de mais uma intervenção americana na Síria foi acompanhada de inúmeros manifestos por parte de militares americanos avessos a mais uma guerra sem sentido. No Brasil, podemos observar casos de policiais que se negaram a agredir o povo, como o do policial que trocou o gás pimenta por água[3], outro foi do agente que atirou sua arma ao fogo[4] como forma de apoiar a população. E ainda mais um que se negou[5] a cumprir ordens arbitrárias e foi retirado de seu posto.
  7. Tropas policiais especializadas em repressão a manifestos: Um dos sinais mais claros de que as coisas saem dos trilhos é a intensa especialização da polícia em torno da repressão as manifestações em todo mundo. No Brasil a polícia se demonstra brutal[6] na maioria dos atos, o que escancara o despreparo e o desgaste das instituições em atender as demandas públicas.
  8. Os movimentos de cidadãos indignados atingiram escala mundial: Os últimos anos são testemunha de como os levantes populares estão cada dia mais fortes e generalizados. O caráter internacionalista dos atos é observado principalmente em fotos divulgadas nas redes sociais nas quais os manifestantes carregam bandeiras de outros países em apoio as suas respectivas causas.
  9. As plantas geneticamente modificadas são rejeitadas em todo lugar: Controla os alimentos e controlarás o povo. Verdade em teoria, porém muito mais complexo na prática. Companhias como a Monsanto estão cada dia mais expostas. Todo o seu poder político e econômico não consegue mais parar o consenso dos perigos em torno desses tipos de alimentos.
    tur

Este artigo foi traduzido e adaptado a realidade brasileira. O original se encontra neste link: http://www.trueactivist.com/10-signs-the-global-elite-are-losing-control/

Referências:

[1] http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,ibope-protestos-derrubam-credibilidade-das-instituicoes,1059657,0.htm
[
2] http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2013-08-16/so-78-acham-que-meios-de-comunicacao-defendem-interesses-da-populacao.html?fb_action_ids=410349745742776&fb_action_types=og.recommends&fb_source=other_multiline&action_object_map=%7B%22410349745742776%22%3A700712846609904%7D&action_type_map=%7B%22410349745742776%22%3A%22og.recommends%22%7D&action_ref_map=%5B%5D
[
3] http://tabloidebr.terra.com.br/pm-que-utilizou-spray-de-agua-ao-inves-de-pimenta-e-afastado/
[4] http://www.youtube.com/watch?v=kX-a3Vx5yLg
[5] http://www.youtube.com/watch?v=AtLFhhMW5k4
[6] http://www.youtube.com/watch?v=5cLkPoLaCMM

Anúncios

A RAIVA IDEOLÓGICA DE JABOR

Hoje, Arnaldo Jabor, colunista do Estadão e analista da Rede Globo, que nas manifestações de junho foi escrachado pela opinião pública pelo comentário elitista que emitiu sobre as manifestações do Movimento Passe Live, deu mais uma vez sérios sinais de que sua perspectiva ideológica o afeta profundamente no momento em que se propõe a analisar questões que condizem a nossa república. Em texto confuso publicado[1] em sua coluna do Estadão, Arnaldo não diferencia assuntos particulares de públicos e já não sabe mais diferir justiça de política. Comecemos, portanto, a destrinchar suas intenções por meio da publicação.

“Comecei a escrever este artigo e parei. Minhas mãos tremiam de medo diante da gravidade do assunto. Parei. Tomei um calmante e recomecei.”

Assim inicia seu texto, demonstrando claramente que seu emocional está influindo sobremaneira em sua análise, comprometendo a razoabilidade de seus comentários.

“o ministro Celso de Mello tem nas mãos o poder de decretar nosso futuro. Essa dependência do voto fatal de um homem só já é um despautério jurídico, um absurdo político.”

Esse trecho é bastante revelador se tivermos atenção, quando se refere ao acolhimento dos embargos infringentes, que somente preveem novo julgamento, com base jurídica para tanto desta maneira, tenta atribuir importância exagerada à decisão, com o objetivo de manipular opiniões e barganhar partidários. Não, um novo julgamento a alguns dos acusados não tem o poder de determinar nosso futuro, e a república não está ameaçada no caso do STF cumprir algo previsto pela jurisprudência de metade de nossos ministros. Quando avalia como absurdo político o voto de minerva do decano Celso de Mello, tenta jogar o poder de decisão para uma suposta opinião pública, esquecendo-se convenientemente do poder de manipulação dos meios de comunicação que assinam sua carteira.

“Tudo parecia um atemorizante sacrilégio, como se todos estivessem cometendo o pecado de ousar cumprir a lei julgando poderosos. Vi o “frisson” nervoso nos ministros juízes que, depois de sete anos de lentidão, tiveram de correr para cumprir os prazos impostos pelas chicanas e retardos…”

Seu comprometimento com o setor político adversário é gritante neste trecho. Em sua mente, o cumprimento da lei que visa um julgamento justo, trata-se de retardo, como se o nosso STF prestasse contas ao Partido dos Trabalhadores de suas decisões.

“Amanhã, Celso de Mello estará nos julgando a todos; julgará o País e o próprio Supremo.”

É de uma confusão mental, de uma raiva política tal comentário. Jabor tenta de todas as maneiras impor ao decano a sua opinião, ao ponto de dizer que um novo julgamento a alguns dos acusados é capaz de acabar com o Supremo, e de mudar o destino do povo. A pressão midiática é covarde.

“Nosso único foro seguro era (é?) o Supremo Tribunal.”

Enquanto o STF cumpria as vontades do setor político o qual ele integra, o foro era seguro, a partir do momento que não cumpre sua vontade deixa de ser. Esperneio infantil.

“Já imaginaram a euforia dos criminosos condenados e as portas todas abertas para os que roubam e roubarão em todos os tempos? Vai ser uma festa da uva. A democracia e a República serão palavras risíveis.”

155 milhões do mensalão tornam a república e a democracia risíveis. Mas 615 milhões sonegados de um de seus contratantes contribuem para o povo. Um erro não justifica o outro, ambos devem ser investigados, julgados e punidos, mas na forma da lei, não na forma que seus patrões desejam.

“O novato Barroso, considerado um homem “de talento robusto e sério”, como tantas personagens de Eça de Queiroz, já lançou a ideia e falou de sua “consciência individual” com orgulho e delícia: “Faço o que acho certo. Independentemente da repercussão. Não sou um juiz pautado sobre o que vai dizer o jornal no dia seguinte”. Mas, quem o pauta? A coruja de Minerva, o corvo de Poe, ou os urubus que sobrevoam nossa carniça nacional? Ele não é pautado por nada? A população que o envolve, não o comove?”

Respondo quem pauta o ministro Barroso, a constituição federal, o autor o sabe, porém prefere não comentar, pois isso não serve seus interesses. Quando assume a voz da população na última frase não consigo deixar de lembrar do próprio alguns meses atrás julgando mesquinhas as manifestações que eram “somente por vinte centavos”. Será mesmo que o que ele diz serve aos interesses da população?

“A verdade é que, desde o início, o desejo de ministros como o Lewandowski e o Toffoli era retardar o julgamento.”

Esta acusação é séria, porque pressupõe envolvimento dos ministros com os acusados, interessante seria apresentar provas ao invés de difamar de forma tão leviana. Mas é certo que não o fará.

“Será a vitória para os bolcheviques e corruptos lobistas. Ok, Dirceu, você venceu.”

Nesta última frase o flerte com a esquizofrenia é manifesto. Dirceu usurpou o STF para conseguir vence-lo né? Em um país no qual metade do orçamento público é gasto em juros de títulos que vão diretamente ao bolso das elites, onde se encontra este bolchevismo?

Por último, é necessário analisar as questões de forma fria, pois a justiça não é a vingança, e estamos julgando crimes e não medidas políticas. O STF é instituído para servir a república por meio da constituição, e não atendendo as reivindicações das mídias dominantes de intenções duvidosas.
jabor

 

Referência:
http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,amanha-o-brasil-muda-,1075649,0.htm

EUA E ALIADOS USAM ARMAS QUÍMICAS

A justificativa norte americana de ataque a Síria pelo suposto uso de armas químicas contra a população por parte do governo sírio não só não foi comprovada, como também não se sustenta como argumento válido, tendo em vista que suas próprias forças armadas fazem uso[1] sistemático de agentes químicos, ignorando assim as Convenções de Genebra[2], da qual é signatário, o que configura crime de guerra.

Interessante para o início de uma análise do discurso pró-guerra dos EUA é uma citação do livro “Understanding Power” de Noam Chomsky:

“Veja por exemplo a locução “processo de pacificação”, que ouvimos todo o tempo. Esta  expressão “processo de pacificação” possui um significado nos dicionários, e quer dizer “processo que leva a paz”. Mas este não é o modo como é usado na mídia mainstream. O termo “processo de pacificação” é usado na mídia para referir-se a qualquer coisa que os Estados Unidos estiverem fazendo, não existe exceção… Tente achar uma só frase na mídia americana em que se afirma que os EUA se opõem ao processo de pacificação: não é possível.

Na realidade, há alguns meses atrás eu comentei isto numa palestra em Seattle, e alguém da plateia escreveu-me uma carta há mais ou menos  uma semana dizendo que interessou-se nesta observação, e então fez uma pequena pesquisa. Ele foi no banco de dados do New York Times, que possui os registros de 1980 (quando surgiu) até hoje, pesquisou todos os artigos que possuem a locução “processo de pacificação”.Haviam cerca de 900, e então checou se em algum deles registrava-se a oposição americana ao processo de pacificação. Não houve registro, em 100% dos artigos. Bem, até mesmo o mais santo dos países, digamos por acidente, alguma vez se opôs ao processo de pacificação. Mas no caso dos Estados Unidos, isto simplesmente não pode acontecer. E esta é uma ilustração significativa, tendo em vista que nos anos 80 os Estados Unidos foram o fator de maior peso na questão do bloqueio das negociações de paz, tanto na América Central, quanto no Oriente Médio.”[3]

Podemos reparar na memória e indignação seletiva do governo americano perante crimes de guerra. Em 2004, a cidade de Fallujah, no Iraque, foi seriamente atacada[4] quimicamente, por duas vezes, pelo agente fosforo branco principalmente, e por outras armas químicas, por forças americanas. Segundo a Anistia Internacional[5], o fósforo branco é capaz de queimar profundamente, atingindo músculos e ossos. Não há registro do número de vítimas imediato, mas as consequências da exposição química ainda são observadas atualmente, inúmeros bebês nascem com diversos problemas de má-formação, doutor Samira Alani, pediatra no Hospital Geral de Fallujah, assim descreve: “ Temos todos os tipos de má formação em bebês, desde doenças cardíacas congênitas até deformações físicas severas, ambas em números exorbitantes.” Doutor Alani registrou[6] entre outubro de 2009 e 29 de dezembro 2012, 699 casos.

O Jornal Internacional de Meio Ambiente e Saúde Pública, sediado na Suíça, publicou[7] um estudo em julho de 2010 que assim analisa a questão da saúde em Fallujah: “ O aumento nos casos de câncer, leucemia, mortalidade infantil e alterações nos índices de natalidade em Fallujah são significativamente maiores do que os registrados na população que sobreviveu as bombas atômicas de Hiroshima e Nagasaki, em 1945.”

Outro ataque químico ignorado pelos Estados Unidos, foi o praticado[8] pelo Estado Israelense na Faixa de Gaza em 2009, o agente químico novamente foi o fósforo branco.  O ataque realizado no dia 15 de janeiro no bairro de Tel al-Hawa, conhecido por ser habitado majoritariamente por famílias de trabalhadores palestinos, deixou 4 vítimas carbonizadas, todos familiares e civis que transitavam em um carro, segundo a Human Rights Watch. A ocupação israelense na palestina já fez[9] 8348 vítimas entre os palestinos, das quais 1519 crianças. Isto passa despercebido por Washington por alguma razão obscura.
O professor de história do Oriente Médio Mark Levine, da Universidade da Califórnia alega[10] em artigo escrito para a rede Al Jazeera:

“ Os Estados Unidos não só apoiou o uso de armas químicas pelo antigo regime iraquiano, como também usou armas químicas em larga escala durante as invasões ocorridas em 1991 e 2003 no próprio Iraque, na forma de urânio enriquecido. Dahr Jamail reportou a Al Jazeera que o uso de urânio enriquecido pelos EUA e Reino Unido é muito provavelmente a causa de muitos dos casos da Síndrome da Guerra do Golfo, sofrida pelos veteranos do Iraque. ”

Diante de toda essa exposição da parcialidade do “senso humanitário” do governo americano, nos resta questionar a real intenção dos Estados Unidos quando apoia financeiramente, e agora pretende apoiar ativamente a desestabilização e consequente queda do atual regime sírio, presidido por Bashar Al-Assad. Ontem o ministro das Relações Exteriores da Síria, Wallid Muallen declarou[11] que o país está pronto para assinar a CWC (Convenção Internacional para a Proibição de Armas Químicas, sigla em inglês) e se submeter a todas as obrigações impostas por ela. A resposta de Washington a essa disposição de Damasco demonstrará muito dos reais interesses ianques por trás dessa investida.
Iraq 2012:  The Summer After the U.S. Military Pullout
Referências:
[1] http://www.washingtonsblog.com/2013/08/the-u-s-and-israel-have-used-chemical-weapons-within-the-last-8-years.html
[2] http://www.icrc.org/por/war-and-law/treaties-customary-law/geneva-conventions/overview-geneva-conventions.htm
[3] Chomsky, Noam. Understanding Power: The Indispensable Chomsky. Nova York: The New Press, 2002. pág 18. 392 pág.
[4] http://www.globalresearch.ca/america-s-fallujah-legacy-white-phosphorous-depleted-uranium-the-fate-of-iraq-s-children/30372
[5] http://www.amnesty.org/en/news-and-updates/news/israeli-armys-use-white-phosphorus-gaza-clear-undeniable-20090119
[6] http://www.aljazeera.com/indepth/features/2012/01/2012126394859797.html
[7] http://www.thecbdf.org/ar/cbdf-reaserch-papers/61-international-journal-of-environmental-studies-and-public-health-ijerph-switzerland-genetic-damage-and-health-in-fallujah-iraq-worse-than-hiroshima-
[8] http://www.hrw.org/node/81726/section/5
[9] http://www.ifamericansknew.org/
[10] http://www.aljazeera.com/indepth/opinion/2013/08/201382710851628525.html
[11]http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticias/31140/siria+esta+pronta+para+assinar+convencao+que+proibe+armas+quimicas+diz+chanceler+.shtml

CARTA DE UM CIDADÃO SÍRIO SOBRE A GUERRA, PARA O BRASIL

Ontem de madrugada navegando pelas redes sociais vi um comentário no qual o usuário se declarava sírio, na página Occuppy Wall St, pedi então a ele um relato sobre o que realmente está acontecendo em seu país, e em um texto bem corajoso ele nos passa a visão de quem está vivendo e vendo de perto seu país ser destruído. Preservo sua identidade por motivos óbvios. Segue a tradução de seu relato, na íntegra:

“Estas são as razões da guerra na Síria…

Existem diversos fatores por trás deste furioso ataque à Síria…
– Políticas…
– Econômicas…
– Históricas…
– Geográficas…

Políticas:
Porque a Síria é o único país do Oriente Médio que continua rejeitando os arbítrios dos EUA e União Europeia e é o único país que luta contra os projetos de expansão do Estado de Israel… !!!
Econômicas:
Pelo fato da Síria ser totalmente autossuficiente, o que nos torna um país que toma atitudes independentes, e não aceita medidas nem toma qualquer direção por pressões externas. Este fato por si só incomoda o ocidente que pretende controlar todos que puderem.
Históricas:
A Síria é o país mais antigo do mundo, Damasco, sua capital, existe há mais de 11000 anos… O que faz de nosso país um lugar cheio de riquezas que estrangeiros tentam sistematicamente pôr suas mãos, há séculos. A Síria é o país em que todas as civilizações, as línguas, as artes e as religiões se encontraram e se espalharam pelo mundo.
Geográficas:
A Síria é um país que faz conexão entre a Ásia e a Europa… O nos faz um lugar visado pelas grandes potências econômicas do mundo contemporâneo… Os chineses, os russos, os americanos, as lideranças europeias, assim como as economias emergentes como a de vocês do Brasil.
Todos os gasodutos e oleodutos que fazem conexão Ásia-Europa tem de passar pela Síria… Portanto os poderosos incomodam-se por isto não estar sob o controle deles… Por estar sob o controle do povo sírio.
Soma-se a tudo isto o fato de estudos recentes apontarem que o território sírio possui as mais ricas reservas de petróleo e gás que ainda não foram exploradas, e somente isto já faria da Síria um alvo… !!!
Não há guerra civil na Síria como alegam… Nunca houve e nunca haveria.
Sírios de varias etnias e religiões vivem juntos em paz e harmonia há milhares de anos… Isto é uma guerra contra a Síria… Planejada, financiada e dirigida principalmente pelos EUA, Israel, Inglaterra e a França com a ajuda e assistência de alguns governos regionais, como o da Turquia de Erdogan, o Líbano de Sa’ad AlHariri, e as famílias reais dos países do golfo, como Arábia Saudita e Qatar, que são seus mais leais sujeitados.
Todos estes agentes juntos tem financiado a guerra contra a Síria… Eles importaram em torno de 150.000 mercenários de todo lugar do mundo para a Síria para tentar destruir-nos.
Naturalmente também contrataram alguns cidadãos sírios, os criminosos e fora-da-lei chamados Exército Sírio Livre (The Free Syrian Army) para fazer parecer um legítimo levante revolucionário promovido pelo povo sírio.
É somente contra estes assassinos que o grande e patriota Exército Sírio está lutando nos últimos dois anos e meio, tentando limpar nossa sagrada terra dessa sujeira, e estão fazendo um grande trabalho eliminando tantos deles, e quando aqueles que os contrataram se deram conta de que estavam sendo derrotados, perderam suas cabeças e agora tentam passar ao conflito aberto.
Esta é toda a história por trás desta guerra insana na Síria meu amigo, espero ter sido capaz de explicar a você o mais claro e breve possível.
Obrigado caro amigo por sua preocupação e apoio.”

QH

Syria-Civil-War

RÚSSIA ORDENA ATAQUE A ARÁBIA SAUDITA, CASO OCIDENTE ATAQUE A SÍRIA

Ontem, dia 27 de agosto de 2013, o escritório do presidente da Rússia, Vladimir Putin expediu um memorando as Forças Armadas ordenando uma ação militar massiva contra a Arábia Saudita[1] no caso do Ocidente (EUA, Inglaterra e França) atacar a Síria. Tropas americanas já começam a ocupar posições estratégicas em relação à Síria[2].
De acordo com o Kremlin, essa ordem de guerra veio em resposta a reunião do presidente Putin com o príncipe saudita Bandar bin Sultan, que teria afirmado que se a Rússia não aceitasse a queda do atual governo sírio comandado por Bahsar Al Assad, a Arábia Saudita iria permitir aos terroristas chechenos sob seu controle ações de assassinato em massa e promoção do caos em território russo durante os Jogos Olímpicos de Inverno previstos para 2014.
Em tom insinuante, o príncipe saudita teria dito: “Posso garantir a completa segurança dos Jogos Olímpicos de Inverno do ano que vem. Os extremistas chechenos que ameaçam a segurança dos jogos são controlados por nós”[3]. Além de alianças políticas, Bandar bin Sultan teria tocado na questão energética na reunião de portas fechadas,  nas transcrições não autorizadas consta a seguinte afirmação: “Examinemos como podemos unificar uma estratégia de cooperação Rússia-Arábia Saudita no tópico do petróleo. A intenção é em concordar no preço e quantidade produzida de maneira que mantenha o mercado global de petróleo estável”[3]. Essa declaração parece oferecer uma aliança entre a OPEC e a Rússia, no caso de mudanças estratégicas russas em relação à Síria. Putin assim teria replicado: “Nossa posição em relação a Assad nunca mudará. Acreditamos que o atual regime responde pelos interesses do povo sírio, e não estes canibais”. O presidente russo se referiu assim aos insurgentes por conta do vídeo[4] do dia 15 de maio, no qual um rebelde sírio extrai o coração de um soldado governista e aparenta come-lo.
Digno de nota, é o documento vazado[5] por Bradley Manning ao Wikileaks, no qual o serviço de inteligência americana ainda em 2006 discorre da seguinte maneira sobre Assad: “Ações que causem a instabilidade e aumentem sua insegurança são de nosso interesse…”. O que leva a suspeitas sobre os pronunciamentos da Casa Branca como o do vice-presidente Joe Biden que ontem declarou[6] não haver dúvidas de que o regime sírio teria usado armas químicas contra a população.
Com os eventos saindo de controle na Síria, o jornal britânico The Independent publicou[7] na segunda feira que o príncipe saudita, de estreitas relações com os EUA, tem trabalhado no suporte as facções rebeldes sírias, fornecendo inclusive armas e treinamentos na busca da derrubada do presidente Bashar Al-Assad. O jornalista independente Ben Swann apurou[8] ainda em junho que a organização terrorista Al-Qaeda estaria atuando em apoio aos rebeldes sírios. Ainda neste contexto, o ministro das relações exteriores russo, Aleksandr Lukashevich, alertou[9] que: “Tentativas de ignorar o Conselho de Segurança, para mais uma vez criar situações artificiais que deem justificativas para uma intervenção militar na região causarão ainda mais sofrimento na Síria e catastróficas consequências para outros países do Oriente Médio e do norte da África”.
Alheios às declarações russas, o premiê britânico David Cameron convocou[9] novamente o parlamento para a votação sobre o ataque em solo sírio. Enquanto o presidente Obama cancelou[10] abruptamente uma reunião entre diplomatas russos e americanos prevista para hoje. Segundo a CBS, a reunião possuía a intenção de traçar medidas com o objetivo de encerrar a guerra civil na Síria.
O governo sírio alertou[11] nesta segunda por meio do ministro das relações exteriores, Faisal Mikdad, que uma intervenção de americanos e aliados poderia gerar grande ameaça à paz mundial. Diante desta configuração geopolítica, tudo indica que qualquer ataque a Síria será considerado pelo Kremlin um ataque à Rússia.
Segundo o The European Union Times, este ataque à Síria, liderado pela Arábia Saudita, Qatar e os aliados ocidentais tem o objetivo de quebrar o domínio russo sobre o mercado de gás natural, com a construção de um gasoduto em território sírio[1].
Sobre as tentativas de derrubada do governo sírio e o ataque químico[12] ocorrido no dia 21 em Damasco, o qual vitimou mais de 1.300 pessoas, o ministro das relações exteriores russo analisou[13] como sendo uma ação planejada de incriminação do governo por parte dos interessados na queda do regime.
As circunstâncias indicam que mais uma vez o Ocidente e aliados premeditaram ações de justificativa a intervenção militar, com vistas ao domínio de recursos energéticos, isso soa muito familiar.

Este artigo é adaptado do original em inglês disponível em: http://www.eutimes.net/2013/08/putin-orders-massive-strike-against-saudi-arabia-if-west-attacks-syria/
Ataque químico Síria 21-08-13
Copyright © Agência EFE, S.A 2010, todos os direitos reservados.
Referências:
[1] http://www.eutimes.net/2013/08/putin-orders-massive-strike-against-saudi-arabia-if-west-attacks-syria/
[2] http://pt.euronews.com/2013/08/27/siria-forcas-militares-do-ocidente-ja-ocupam-posices-estrategicas/
[3] http://www.telegraph.co.uk/finance/newsbysector/energy/oilandgas/10266957/Saudis-offer-Russia-secret-oil-deal-if-it-drops-Syria.html
[4] http://thelibertarianrepublic.com/video-syrian-rebel-cuts-out-soldiers-heart-and-eats-it-nsfw/
[5] http://www.wikileaks.org/plusd/cables/06DAMASCUS5399_a.html#efmBA8BJR
[6] http://noticias.terra.com.br/mundo/estados-unidos/biden-diz-nao-ter-duvida-de-que-governo-sirio-usou-armas-quimicas,e1517d5318eb0410VgnCLD2000000ec6eb0aRCRD.html
[7] http://www.independent.co.uk/news/world/middle-east/syria-the-saudi-connection-the-prince-with-close-ties-to-washington-at-the-heart-of-the-push-for-war-8785049.html?printService=print
[8] http://benswann.com/what-the-media-isnt-telling-you-about-syrian-civil-war/
[9] http://www.independent.co.uk/news/world/middle-east/syria-crisis-uk-and-us-vow-that-any-military-response-is-not-about-regime-change-as-parliament-is-recalled-to-vote-on-intervention-8785140.html
[10] http://www.cbsnews.com/8301-202_162-57600192/source-u.s-postpones-meeting-with-russia-about-syria/
[11] http://www.cbsnews.com/8301-202_162-57600101/fearing-a-u.s-strike-syria-warns-of-global-chaos/
[12]http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/mundo/2013/08/21/interna_mundo,383633/mais-de-1-300-pessoas-morreram-no-ataque-quimico-na-periferia-de-damasco.shtml
[13] http://rt.com/news/syria-chemical-prepared-advance-901/

MAIS UM DIA NA VIDA DE CHICÃO (PARTE 1)

Seis e meia da manhã, o odor fétido do córrego poluído invade as narinas de Chicão, que mesmo acostumado ao cheiro acaba por acordar, pois a água já estava molhando seu surrado colchão e todo o chão do barraco. Indiferente às condições insalubres, caminha em seu domicílio e abre o armário da cozinha, um pouco de pó de café e alguns biscoitos de água e sal, sente uma ponta de rancor, fecha.
Vou ver se arrumo um pão na padoca do seu Dito, seus botões declaram. Veste a bermuda, joga a camiseta por cima do ombro e toma os becos de seu bairro. O cheiro mais forte do esgoto quase lhe dá náuseas, a esquerda alguns cachorros disputam a alimentação no lixo exposto, a direita algumas crianças brincam, sujando-se com a água contaminada. Tudo nos conformes cruza com Leandro, amigo de infância, mas não o cumprimenta. Tá na nóia vai pedir dinheiro… Imagina.
Chega à padaria do seu Benedito, dois homens de ar militar que estavam a conversar com ele disfarçam e saem discretamente.
– E aí malandro, tem pão não, se adianta.
– Qual é seu Dito, tô no aperto, só mais essa vez.
– Sou teu pai não moleque, chega de mordomia.
– Tem nenhum serviço pra eu te adiantar não?
O ar de seu Dito se torna mais pesado com essa pergunta.
– Olha rapá, tu tem ideia do que tá querendo né?
– To ciente Ditão, cansei dessa vida, quero virar cidadão tá ligado?
Seis e vinte e sete da manhã, Benedito, dono da padaria e empreendedor em ramos escusos ouve fortes batidas no portão de seu estabelecimento e residência. Esses verme de novo, advinha. Acende o cigarro e caminha lentamente, levanta o portão, os senhores adentram sem nada dizer. A tensão denuncia a urgência do “pedido”.
– E aí ladrão, tem um serviço novo pra tu…
Dito traga profundamente o cigarro, quase se ouve o silêncio e apreensão.
– Desembucha.
– Tu vai meter uma vagabunda no cativeiro…
– Já disse que só trafico Morais.
– Quero saber não, se eu levar essa mijada tu vai junto.
– Porra Morais! Quer me foder?
– Segura a onda ladrão, quer adiantar teu tranco é?
Raiva e remorso invadem seu Benedito. Nada disso é exposto aos homens da lei presentes.
– É quem?
– Isabela Oliveira.
Dito solta uma risada nervosa, traga.
– Abre o bico Morais, filha de quem?
– Do coronel…
– Tá achando que sou teu faxineiro caralho?
– Cala a boca, vai fazer e ponto.
Os passos de Chicão são ouvidos na padaria.
Coronel Oliveira, linha dura da polícia militar. Sua honestidade só é tão grande quanto sua intolerância. Na noite anterior chamou alguns de seus homens ao gabinete e os informou que estava ciente dos desvios de armamento do quartel, e que daria o devido procedimento aos fatos apurados.
Veremos, balbuciou Morais ao sair do gabinete.
Seu Dito desdobra o papel deixado em cima de seu balcão, lê. Dirige um olhar sério a Chicão.
– Quer virar cidadão moleque? É desse jeito não.
– Caguei, bora que eu to na função.
Benedito expõe o pedido dos senhores que acabaram de sair. Francisco ouve atentamente, medo e expectativa lhe invadem.
– Ganho o que com isso?
– Vai ganhar, precisa saber mais que isso não…
Meio dia e quarenta e cinco. Da esquina ouve-se o sinal, movimentação na porta do colégio, agitação na mente do meliante. Três jovens caminham despreocupadas em direção à esquina. Porra, o que eu faço com essas piranha? Como que programado, sai do carro, revólver em punho, uma coronhada, um empurrão. Isabela no carona. Acelera ansiosamente pelas ruas, atormentado ao mesmo, para não dar bandeira.
– Dá um pio que eu te passo vagabunda!
Lágrimas reprimidas correm o rosto da moça.
Quatro e dezesseis. Senhora Oliveira liga para o coronel.
– Otávio, a Isabela avisou onde ia?
– Não, preciso desligar. Trabalho sério.
Nessa hora Otávio, o pai, tremulamente liga para sua filha. Fora de área ou desligado. O pai deseja sair à procura. O coronel não sabe com quem contar. Desconfiança, desilusão, arrependimento. Entra em seu gabinete.
“Se nada tiver sumido Isabela também não vai”
Diz um bilhete de letras recortadas de revistas.
barracoenchente

Essa é a minha primeira tentativa de escrever um conto, por isso postei parte dele a fim de pedir a aqueles que se disporem sugestões, críticas e opiniões para que eu melhore meu estilo. Agradeço desde já.

O QUE A POLÍCIA DE SÃO PAULO ESTÁ NOS ESCONDENDO?

O Brasil iniciou essa semana com uma tragédia, a da família de policiais militares mortos em São Paulo. Foram encontrados mortos em casa, o sargento da ROTA Luís Marcelo Pesseghini, sua mulher Andréia Regina Bovo Pesseghini, cabo da PM. A mãe de Andréia, Benedita de Oliveira Bovo, sua irmã Bernadete Oliveira da Silva e o filho do casal Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini . Todos com tiros na cabeça, de uma pistola .40[1]
Segundo a versão oficial, as evidências indicam que Marcelo, o filho do casal, de 13 anos, assassinou toda a família com um único tiro em suas cabeças. Em seguida dirigiu o carro da família até a porta de sua escola, a cerca de cinco quilômetros de casa, chegando lá às 01h25min da manhã, esperou até às 06h30min quando saiu do carro e assistiu normalmente à aula de segunda feira. Terminada a aula Marcelo voltou para casa de carona com o pai de um amigo, e tendo chegado suicidou.  A perícia encontrou ainda a chave do carro no casaco do adolescente, uma faca, um revólver calibre 32 sem munição, rolos de papel higiênico e mudas de roupa em sua mochila. Não foram encontrados resíduos de pólvora nas mãos do rapaz, mas isto pode acontecer quando se trata da pistola .40. Ainda ontem o delegado da polícia civil responsável pelo caso Itagiba Franco declarou a imprensa que o melhor amigo de Marcelo afirmou que o jovem tinha planos de matar os pais, fugir para um local abandonado e viver como matador de aluguel.
Esta versão gerou uma grande polêmica, muitos duvidaram das informações cedidas pela polícia, uma vizinha da família declarou que Marcelo nunca atiraria em ninguém, até mesmo a página do facebook “Faca na Caveira” admiradora confessa da polícia, divulgou nota[2] questionando os fatos apresentados. Por fim hoje surgiu mais uma notícia que definitivamente põe o cheiro de farsa no ar, o comandante do 18º Batalhão da PM, coronel Wagner Dias, declarou[3] hoje em entrevista a rádio bandeirantes que a cabo da PM Andréia havia denunciado colegas de farda por envolvimento em roubos a caixas eletrônicos.
Muitas perguntas podem ser feitas em relação ao que a polícia tem afirmado. Se o rapaz pretendia fugir porque foi à escola normalmente? Como nenhum dos vizinhos ouviu os disparos na madrugada? Como um adolescente de 13 anos teria habilidade e principalmente força para aplicar cinco tiros com tanta precisão? Como a pistola de reconhecido recuo forte[4] foi parar embaixo do corpo do Marcelo após o suicídio?
Analisando num contexto mais amplo, é realmente possível a polícia estar tentando encobrir ações arbitrárias de seus homens. Os protestos desencadeados no mês de junho, a brutal repressão policial assistida, o caso Amarildo[5], e a chacina na comunidade da Maré[6], desencadearam um amplo debate sobre desmilitarização da Polícia Militar, medida recomendada ao Brasil até mesmo pela ONU[7].
Ainda neste contexto, a Human Rights Watch divulgou em carta aberta[8] a população diversos dados que questionam e põem em evidência o despreparo, as arbitrariedades, e até mesmo dão fortes indícios de que alguns agentes da Polícia Militar de São Paulo promovem execuções extrajudiciais, alteram cenas de crimes e forjam tiroteios na finalidade de incriminar suas vítimas.
A Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (ROTA), da qual o pai de Marcelo fazia parte, matou 247 pessoas entre 2010, 2011 e 2012. O número de mortes pela polícia em São Paulo neste primeiro semestre de 2013 está na média de seis por semana. A carta ainda descreve muitos outros fatos que demonstram a ilegalidade e o desrespeito ao Estado de Direito por parte da corporação.
Feitas essas observações, realmente parece que faltam sim partes deste quebra-cabeça, que os policiais estão protegendo a si próprios da lei. Os indícios devem ser apurados com minúcia pelas autoridades. Não é aceitável termos de conviver também com a violência por parte da polícia, que supostamente está instituída para proteger o cidadão. A desmilitarização da polícia se torna imperativa a cada dia.
PM-bate
Referências:
[1] http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2013/08/pai-e-mae-foram-os-primeiros-serem-mortos-por-garoto-mostra-pericia.html
[2] https://www.facebook.com/FACANACAVEIRAPORRAA
[3] http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/08/1322947-comandante-de-batalhao-diz-que-pm-morta-com-a-familia-denunciou-colegas.shtml
[4] http://www.youtube.com/watch?v=7KG7SGYY5pI
[5] http://www.apublica.org/2013/07/amarildo-presente/
[6] http://www.apublica.org/2013/07/mare-de-terror-rio-de-janeiro-favela-da-mar/
[7] http://www.sinsep-go.com.br/noticias/04/06/2012/3576.shtml
[8] http://www.geledes.org.br/areas-de-atuacao/questao-racial/violencia-racial/20197-human-rights-watch-carta-aberta-ao-governador-alckmin-e-procurador-geral-de-justica-marcio-rosa-sobre-violencia-policial#axzz2bJGpPggT

O LIBERALISMO TORNOU-SE UMA RELIGIÃO, SEM HIPÉRBOLES

A História nos mostra uma série de propostas, teorias e sistemas que nos ajudaram a progredir e que se tornaram decadentes, contraproducentes e exploradores. O liberalismo econômico decai.  E decai porque se tornou imperativo, porque invadiu esferas que não econômicas, todas as relações passaram a ser vistas pelo prisma do mercado.
É possível caracteriza-lo como religião em muitos pontos. Seus sacerdotes são os economistas, seus templos são as corporações, e seu deus naturalmente é o mercado. Não se trata de exagero, pergunte, por exemplo, a um padre ou pastor sobre um problema, ele lhe dirá para entrega-lo nas mãos de Deus. Faça o mesmo com um neoliberal, este lhe dirá para entrega-lo nas mãos do mercado.
A analogia não para por aí. Comparemos com os expansionismos praticados pela Igreja Católica Apostólica Romana por exemplo. Esta possui programas de evangelização que duram até os dias de hoje, assistimos há pouco tempo a JMJ em nosso país, mas desde o descobrimento do novo mundo temos doutrinação dos povos nativos na América. O liberalismo que se propõe como diz a palavra, a “liberar”, na prática é imperialista. A América Latina, e a África e mais recentemente o Oriente Médio, sofreram e sofrem investidas do Ocidente, que por meio de bombas, metralhadoras e ditaduras, trazem a “democracia de mercado”, a “salvação dos pobres”.
Os princípios do mercado ultrapassaram a esfera econômica, exemplo disso é o fato do Brasil subsidiar seguradoras de saúde, em detrimento do SUS. Nossa constituição diz no artigo 196: “A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.” Realmente não é o que vemos na prática, a saúde passou de direito a mercadoria, o que também corrobora com isso é o fato dos políticos terem planos de saúde garantidos por dinheiro público.
E o mercado não pretende parar por aí, expoentes do anarco-capitalismo, como Rothbard no exterior, e Daniel Fraga no Brasil, defendem abertamente até a venda de órgãos no livre mercado. Baudelaire já observava no século XIX o seguinte: “… sobretudo para os homens de negócios, aos olhos de quem a natureza existe apenas em suas relações de utilidade com seus negócios, o fantástico real da vida acha-se singularmente embotado.”
Não é somente a saúde humana que cobra sua fatura nesta “transação”. A saúde ambiental também se encontra debilitada. As mudanças climáticas, a poluição ambiental também é inquestionável fruto desse impulso consumista.
As emissões de carbono modificam as concentrações de gases na atmosfera, que responde aumentando o efeito estufa. A nossa incompetência de lidar com os resíduos desta imensa produção acabam por poluir os mananciais, quando falamos dos resíduos orgânicos. No caso dos sólidos, criamos um gigantesco lixão no oceano Pacífico.
Podemos dar um exemplo de desrespeito à saúde humana e ambiental simultâneos, este é o caso do desastre de Bhopal, na Índia. Em 1984, na madrugada de 2 para 3 de dezembro, cerca de 40 toneladas de gases letais vazaram da fábrica da Union Carbide Corporation, em três dias mais de 8000 pessoas já haviam morrido pela exposição, a Union Carbide simplesmente abandonou o local, deixando-o totalmente contaminado. Atualmente mais de 150.000 pessoas sofrem de doenças crônicas por conta do acidente. O caso não pôde ser julgado na Índia por pressões dos EUA, que o assumiu e fixou indenizações que variaram entre 370 e 533 dólares, o que não cobriu nem metade das despesas médicas. Este caso não foi o único.
Ainda na questão da produção, o que mais chama atenção e contesta o dogma do livre mercado é a obsolescência programada. Teóricos desta corrente afirmam que a concorrência força os produtores a cada vez mais aumentarem a qualidade de seus produtos, e o que mais é observado são principalmente aparelhos com prazo de validade bem curto, e que depois de quebrado, não possuem concerto, o que nos leva novamente ao consumo.
A finalidade foi distorcida. Prova disso é que a máxima utilitarista pilar moral do liberalismo, já não é atendida. Bentham assim definiu: “Por princípio da utilidade, entendemos o princípio segundo o qual toda a ação, qualquer que seja, deve ser aprovada ou rejeitada em função da sua tendência de aumentar ou reduzir o bem-estar das partes afetadas pela ação”. Considerando o quadro de integração global, e a situação de desigualdade persistente entre os povos, é claro que o bem-estar de grande parte dos envolvidos na ação não vem sendo considerado. Emblemático fato que corrobora com esta afirmação é o lucro do maior banco privado brasileiro, o Itaú, que foi de nada menos que 7,055 bilhões. Maior que o PIB de 33 países.
Precisamos redefinir as relações econômicas, políticas, ambientais e sociais. A independência produtiva, a descentralização do poder, o respeito aos princípios ambientais, e a relação social como um fim em si mesma parecem ser o norte que devemos definir para renovação de nossa sociedade, e consequente garantia do nosso bem-estar, e do das gerações futuras.
Bhopal disaster
Algumas das milhares vítimas da Union Carbide Corporation.

Referências: (Na sequência do artigo)
http://www.redebrasilatual.com.br/saude/2011/11/ubsidio-publico-dos-planos-de-saude-e-uma-caixa-preta-diz-especialista-na-area (Matéria, subsídios à saúde privada)
http://www.dji.com.br/constituicao_federal/cf196a200.htm (Artigo 196 à 200 CF 1988)
http://www.youtube.com/watch?v=lU-Q3D3sv5E (Discurso pró venda de órgãos, de Daniel Fraga)
Baudelaire, Charles. Sobre a Modernidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996. 70 páginas. (Coleção leitura). Capítulo IV, página 27.
http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL1003163-5602,00.html (Reportagem, lixão do Oceano Pacífico)
http://www.greenpeace.org.br/bhopal/docs/Bhopal_desastre_continua.pdf (Matéria, Desastre de Bhopal)
Bentham, Jeremy. An Introduction to the Principles of Morals and Legislation. 248 páginas.
Capítulo I, página 14. http://socserv.mcmaster.ca/econ/ugcm/3ll3/bentham/morals.pdf
http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2013/07/30/lucro-do-itau-no-1-semestre-e-maior-que-o-pib-de-32-paises.htm (Matéria, lucro do Itaú)

Soneto da Humanidade

Às divindades peço licença
e declaro que o futuro a nós pertence
dê-nos as rédeas!
entregue-as nas mãos da gente

desta forma o povo garante
que daqui em diante
o poder que vem de baixo
a todos levantará

e livre será o amor
livres seremos da dor
e a festa será sem temor

aos populares brindemos
pois com essa verdadeira força
que tudo novo faremos.
A liberdade
A Liberdade Guiando o Povo – Eugène Delacroix

QUAL A SEMELHANÇA ENTRE AMARILDO (2013) E EDSON LUÍS (1968)?

Há 45 anos, no dia 28 de março de 1968, foi assassinado pela polícia militar o estudante Edson Luís, jovem secundarista de origem humilde que veio estudar no Rio de Janeiro. Sua morte gerou comoção nacional, desencadeou diversas manifestações, 50.000 pessoas acompanharam seu corpo até o cemitério São João Batista. Segundo Zuenir Ventura, foi a gota d’água, o evento que abriu caminho a revolta popular que desencadeou o famigerado Ato Institucional 5, o golpe dentro do golpe, a linha dura da ditadura militar.
Há 18 dias queremos saber onde está Amarildo, que no dia 14 de julho foi prestar esclarecimentos aos policiais da UPP da Rocinha, e nunca mais voltou. Sua morte também parece ser o estopim da revolta, manifestações nas ruas e nas redes sociais querem saber onde se encontra o também humilde senhor pai de seis filhos que, assim como Edson Luís, foi vítima do Estado policialesco implantado pelas UPPs nas favelas.
As semelhanças não param por aí, o PLS 278/2011, redigido pelos senadores Marcelo Crivella (PRB-RJ), Ana Amélia (PP-RS) e Valter Pinheiro (PT-BA) é prioridade na pauta do Congresso Nacional na volta do recesso. O projeto de lei visa conceituar a prática de terrorismo, ainda não definida na Constituição brasileira. Em seu artigo 2º é assim definido o terrorismo: “provocar ou infundir terror ou pânico generalizado mediante ofensa à vida, à integridade física ou à saúde ou à privação da liberdade de pessoa, por motivo ideológico, religioso, político ou de preconceito racial ou étnico”. Este projeto de lei atenta claramente contra a liberdade de manifestação dos movimentos sociais, da população de maneira geral. Alguma semelhança com o AI-5?
É impressionante como a história se repete, só mudando os atores. O golpe de 1964 visava atender interesses americanos, o PLS 278/2011 objetiva os interesses da FIFA na Copa do Mundo do próximo ano. Estabilidade social e política são fundamentais quando se quer explorar um evento, ou uma nação economicamente.
Mais uma vez a Exceção quer ser imposta por interesses estrangeiros, em detrimento do povo.
Os resultados da repressão, da força bruta daquela época nós conhecemos. Depois do AI-5 ainda vivemos 17 anos de ditadura militar, inúmeros desaparecimentos, torturas, exílios.
O Brasil possui dois caminhos neste momento, repetir a história servindo a interesses econômicos escusos. Ou fazer a diferença, fazer democracia verdadeira, com participação popular das ruas, atendendo os interesses do povo brasileiro.

“Um povo que não conhece a sua história está fadado a repeti-la.”Amarildo-Edson

Referências:
1968 – O ano que não terminou. Ventura, Zuenir
http://www.andes.org.br/andes/print-ultimas-noticias.andes?id=6190
http://www.apublica.org/2013/07/amarildo-presente/
http://www.torturanuncamais-rj.org.br/MDDetalhes.asp?CodMortosDesaparecidos=20
http://legis.senado.leg.br/mateweb/arquivos/mate-pdf/100792.pdf (Íntegra PLS 278/2011)
http://legis.senado.gov.br/legislacao/ListaNormas.action?numero=5&tipo_norma=AIT&data=19681213&link=s (Íntegra AI-5)